sábado, 19 de agosto de 2017

1977-08-19 - PROGRAMA LISTA B - Sindicato Oficiais Maquinistas da Marinha Mercante

SINDICATO DOS OFICIAIS MAQUINISTAS DA MARINHA MERCANTE

PROGRAMA LISTA B
LUTA UNIDADE VITORIA
POR UM SINDICATO DEMOCRÁTICO

CONTRA A CANDIDATURA AFECTA A INTERSINDICAL
POR UM NOVO CCT PARA A MARINHA DE COMÉRCIO
PELO ESTATUTO DE PROFISSÃO DOS OFICIAIS E ENGENHEIROS MAQUINISTAS

ELEIÇÕES
3/OUT/77

UMA CANDIDATURA DE UNIDADE NASCIDA DA LUTA PELA DEMOCRACIA NO NOSSO SINDICATO

1977-08-19 - RÁDIO TIRANA Nº Especial - PCP(R)

RADIO TIRANA

EDIÇÕES"
'Bandeira Vermelha’ * PCP(r) PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS (RECONSTRUÍDO)

NEXHIMIJE HOXHA

ALGUMAS QUESTÕES FUNDAMENTAIS
DA POLÍTICA REVOLUCIONÁRIA DO PTA
QUANTO AO DESENVOLVIMENTO DA LUTA DE CLASSES
FIQRET SHEHU
OS PARTIDOS REVISIONISTAS
- TÍPICOS PARTIDOS BURGUESES CONTRA-REVOLUCIONÁRIOS

NÚMERO ESPECIAL
PREÇO 7$50

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

1977-08-18 - É TEMPO DE AGIR! - LCPR

GREVE GERAL PARA FORÇAR A REVOGAÇÃO DAS LEIS ANTI-OPERÁRIAS E A DEMISSÃO DO GOVERNO!
UMA ALTERNATIVA OPERÁRIA CONTRA A CRISE CAPITALISTA!

É TEMPO DE AGIR!

O Governo capitalista e anti-operário de Mário Soares tem mais de um ano.
O Balanço deste governo é um ano de aumento de preços e de contenção de salários, um ano de desemprego, um ano de ataques aos mais elementares direitos da classe operária e de todos os trabalhadores, um ano de ataque às conquistas alcançadas após o 25 Abril, um ano de penetração e aumento da subordinação do país às agências imperialistas - a NATO, CIA, o Mercado Comum e o Fundo Monetário Internacional.

1977-08-18 - Luta Popular Nº 557 - PCTP/MRPP

EDITORIAL
O NOVO CABAZ

I
Como o nosso Partido desde o primeiro momento previu, as medidas antioperárias e antipopulares tomadas pelo Governo em 25 de Fevereiro, não só não poderiam resolver em proveito das massas um só dos problemas que sobre elas a crise actual faz abater, como representavam unicamente o inicio da aplicação de um programa imposto pelo grande capital e pelo imperialismo estrangeiro com vista a aplicar a sua solução para a crise. Ou seja, com vista a restabelecer as suas taxas de lucro à custa da desenfreada exploração dos operários (através do congelamento salarial, despedimentos, abaixamento de salários, etc.); com vista a proceder a uma maciça concentração de capital e à liquidação em cadeia das empresas «não rentáveis»: a estabelecer uma nova partilha com o capital monopolista de estado, entregando aos monopólios privados e ao imperialismo, novos sectores-chave da economia; a decretar um aumento generalizado dos preços em favor dos capitalistas; a abrir amplamente as portas ao saque do capital estrangeiro, etc.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

1977-08-17 - TODOS À REUNIÃO DE ESTUDANTES E FAMILIARES ABERTA A TODO O POVOMovimento Estudantil


TODOS À REUNIÃO DE ESTUDANTES E FAMILIARES ABERTA A TODO O POVO

CONTRA AS REPROVAÇÕES MASSIVAS!
EXIJAMOS A 2ª ÉPOCA PLENA EM SETEMBRO!

4ª F. Dia 17 às 21H. no C. SOCIAL do Bº do RELÓGIO

1977-08-17 - Bandeira Vermelha Nº 083 - PCP(R)

EDITORIAL
BANDEIRA DE LUTA DE TODO O POVO

Uma pergunta assalta hoje os trabalhadores portugueses: que solução adoptar para sair da crise que o país atravessa e abrir um futuro de liberdade e bem-estar para o povo? A solução para os graves problemas que afligem as massas trabalhadoras é cada vez menos uma questão em perspectiva e cada vez mais um assunto premente que exige resposta.
O movimento operário e popular atravessa um período de enormes tensões em que, por detrás do relativo abrandamento da onda grevista, se adivinha o fermentar turbulento de novas forças, a preparação de novas batalhas, a busca insistente do caminho vitorioso.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

1972-08-00 - Seara Nova Nº 1523

Actualidade nacional
IMPRENSA «RESPONSÁVEL E OBJECTIVA»
Por Araújo Moreira

A burguesia, que se serviu largamente da imprensa para derrubar o antigo regime, instalada no po­der, não mais deixou que a tribuna lhe escapasse ao controle. Realizada a revolução que a levou ao poder, foi ela própria, à medida que o capitalismo se desenvolvia, que criou as condições para urna profunda modificação da empresa jornalística, que passou de artesanal a industrial. Não se esqueceu, sob a democracia formal, de conceder a possibilidade a qualquer cidadão de fundar um órgão informativo que se fizesse eco da sua opinião. E dormiu descansada, consciente de que uma desenfreada concorrência (e a condução ao monopólio pela eliminação dos mais fracos), o progresso da ciência e da tecnologia (elas próprias condicionadas pelo avultado dos investimentos necessários, pelo capital) obstavam a que houvesse de facto tal possibilidade... a não ser que se fosse possuidor das dezenas de milhares de contos que exige a montagem de uma máquina informativa.

Arquivo